Skip to content

Cosmos e anticatolicismo

março 14, 2014

cosmos-logo-e1394467602285-300x16920140310vlcsnap-00012

Giordano Bruno, apresentado como mártir da ciência na nova versão da série Cosmos, nunca foi cientista e foi condenado por várias heresias, como negar a Santíssima Trindade, a divindade de Cristo e a transubstanciação.

Bruno professava um animismo cósmico que fazia do Universo um ser eterno e consubstancial com a divindade (panteísmo).

Sua tese defendendo a existência de uma INFINIDADE de sistemas solares copernicanos não tinha, não tem e jamais terá qualquer base empírica quantificável (como se pode medir o infinito?). O heliocentrismo que defendia estava em conflito com a física da época (Aristóteles) e não melhorava em absolutamente nada as previsões do sistema geocêntrico de Ptolomeu.

Bruno era um ocultista, adepto do hermetismo e tinha um temperamento difícil. Seu sarcasmo, espírito polêmico e vulgaridade alienavam todos os que lhe deram uma chance de se estabelecer como professor. Alcançou a proeza de ser rechaçado por católicos, luteranos, calvinistas e anglicanos.

Não é de se espantar que tenha se metido em uma grande encrenca com a Inquisição romana.

O cartoon usado no primeiro episódio da série Cosmos para ilustrar sua biografia deixa uma impressão parcial ou mesmo falsa do que aconteceu de fato, especialmente na apresentação de seu julgamento pelo Santo Ofício, retratando as autoridades eclesiásticas com traços impiedosos e cores sombrias.

Ora, a Igreja nunca teve, em nenhum tempo, nada contra a ciência empírica autêntica. A ideia de um conflito irremediável entre ciência e fé é apenas peça de propaganda de certo tipo de ateísmo.

É lastimável que um terço do primeiro episódio da série Cosmos seja pura panfletagem anticatólica, digna de um libelo voltairiano.

Apenas as partes inicial e final valem à pena pela qualidade e impacto visual das animações que descrevem as escalas de espaço e tempo do Universo. Há nelas apenas uma referência, dispensável, à noção absurda e anticientífica de um multiverso infinito.

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. Anônimo permalink
    maio 9, 2014 4:38 pm

    “Ora, a Igreja nunca teve, em nenhum tempo, nada contra a ciência empírica autêntica.”
    Disserte sobre Galileu Galilei.

    • ewcaetano permalink*
      outubro 2, 2014 10:15 am

      Galileu não tinha prova experimental de que a Terra girava ao redor do Sol. O fato de ter ridicularizado o Papa, que era seu amigo, pesou mais do que qualquer outra coisa em sua segunda condenação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: