Skip to content

Aforismos e parágrafos (in)tolerantes

janeiro 24, 2017

auto-de-fe

No Velho Testamento Deus condena a idolatria com a pena de morte (Dt 13,7-19). No Novo Testamento não se diz nada contra isso, muito pelo contrário (1Cor 6,9s; Ap 21,8). Ora, a heresia é uma forma de idolatria. A falsa fé é a crença numa caricatura de Deus.

***

Dizia São João Crisóstomo: “matar um herege é introduzir na terra um crime inexpiável”. No entanto, a experiência posterior com várias heresias (penso aqui especificamente no donatismo e no catarismo) indicava que a misericórdia era um risco altíssimo para os corpos e as almas. Um risco tão grande que fez com que o pensamento de Crisóstomo e outros santos seus contemporâneos (Martinho de Tours, Ambrósio, Dâmaso) ficasse esquecido ou fosse deixado de lado.

***

Condenar os antigos por intolerância numa época em que o conceito de tolerância era desconhecido é como acusar a crueldade dos médicos de outrora que operavam sem anestesia.

***

A medicina já acreditou sinceramente que a sangria era a melhor maneira de curar muitas enfermidades. Os homens da Igreja no passado acreditavam que condenar um herege impenitente à morte era a maneira mais adequada de destruir o erro. Ambos estavam enganados, mas queriam fazer algo bom.

***

Numa sociedade fundada sobre o juramento e a fé, quem negava o juramento da fé era visto como um câncer o qual, não fosse extirpado logo, se espalharia pelo corpo social como uma terrível metástase destruidora do mais alto bem comum.

***

As razões da intolerância religiosa do passado são, essencialmente, as mesmas razões da intolerância que temos hoje para com os crimes contra a vida corporal, especialmente o assassinato em massa.

***

Não existiam meios para os homens de outras épocas compreenderem o abandono da fé como um mal aceitável. Para eles, a fé era tudo: a salvação, a vida eterna, a felicidade infinita. Perder a fé era perder o Sumo Bem, Deus, para sempre. O herege era um monstro que, afora perder o Céu para si, arrastava outros tantos consigo em sua ruína.

***

Os reinos só deixaram de condenar hereges quando o mundo já tinha sido tomado pelo erro. O combate físico, grosseiro e limitado, fracassou na luta contra a heresia. Para a Igreja restaram apenas os meios espirituais. Melhor assim.

***

A história dolorosamente nos ensina uma lição: que a heresia não se vence pela força, mas contra ela devemos resistir principalmente pela palavra e pelo testemunho.

***

Algumas verdades só são assimiladas com a experiência, e não somente a partir dos primeiros princípios.

***

Os santos transcendem de muitas maneiras sua época, mas nenhum mortal consegue viver completamente fora de seu tempo.

***

Condenar um herege malicioso à morte pode ser justo, mas quem pode, especialmente hoje, sempre reconhecer acertadamente sua malícia?

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: